Information: +55 11 3104-7183

O recebimento de doação e herança de bens situados no exterior merece atenção em relação a tributação

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Apesar de parecer óbvia a ilegalidade da cobrança do ITCMD pelos Estados sobre doações e heranças de bens situados no exterior, recebidas por domiciliados no Brasil, a questão ainda exige cuidado por parte dos interessados, sendo indicado, inclusive, medidas preventivas para evitar autuações surpresa pelo Fisco estadual.

Falando especialmente do Estado de São Paulo, o artigo 4º da Lei Estadual nº 10.705/2000, que instituiu o ITCMD no Estado, previu a incidência do imposto ainda que os bens estejam no exterior e o doador ou o/a de cujus, autor/a da herança, não seja residente no País. No entanto referido dispositivo teve sua inconstitucionalidade declarada pelo E. Tribunal de Justiça do Estado na Arguição de Inconstitucionalidade nº 0004604-24.2011.8.26.000, diante da clara afronta à diversas disposições da Constituição Federal, dentre as quais a da necessidade de lei complementar para instituição do referido imposto sobre essa especifica situação (art. 155, III, CF).

Embora a decisão date de 2011, a questão ainda permanece em discussão no Recurso Extraordinário nº 851.108, com repercussão geral reconhecida em 2015 e que aguarda julgamento pela Corte Especial do STF desde então. Enquanto isso, o Fisco Paulista continua a aplicar a lei estadual já declarada inconstitucional e a lavrar autos de infração contra pessoas que receberam doações e heranças de bens situados no exterior, gerando a cobrança não só do imposto acrescido dos encargos do atraso no pagamento, como de pesadas multas.

A Sefaz (Secretaria da Fazenda) tem identificado casos sujeitos a suposta tributação analisando declarações de imposto de renda que obtêm através do convênio que mantem com a RFB. Contudo outro fator que pode potencializar a ação da Sefaz é a regularização de bens no exterior por milhares de contribuintes que aderiram ao RERCT (Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária) entre 2016/2017. Em razão dessa adesão os contribuintes retificaram e passaram a lançar referidos bens desde a declaração de imposto de renda de 2014.

No entanto, o uso desses dados para outros fins que não os do RERCT fere o sigilo de dados previsto no artigo 7º, §1º e 2º, da Lei 13.254 como, aliás já se manifestou a Procuradoria Geral da República na ADI ajuizada por um partido político que impugna a previsão de sigilo na lei. Com isso, completamente em cheque está, outrossim, a legalidade do eventual uso desses lançamentos pelo Fisco estadual para a tributação do ITCMD de bens no exterior.

De todo modo, seja em que posição se encontrar, o interessado, ou suposto contribuinte aos olhos do Fisco, pode contar com medidas para afastar a tributação. Caso já tenha ocorrido a lavratura de auto de infração, cobrando o imposto, cabe defesa administrativa ou mesmo judicial, conforme o estágio em que se encontrar a autuação/constituição do crédito tributário. Caso contrário, isto é, não tendo o Fisco agido ainda, é perfeitamente cabível e recomendável o ajuizamento de medida preventiva, impedindo, assim a autuação e maiorias consequências, principalmente de cunho financeiro.

Ficou com alguma dúvida ou gostaria de falar com um especialista?
[