Information: +55 11 3104-7183

O Direito à Privacidade e o Cadastro Positivo Automático

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Até a vigência da lei n° 12.414 de 9 de junho de 2011 que regulamentou o cadastro positivo, não havia norma expressa sobre a constituição de bancos de dados com informações de crédito. Havia, apenas, o Código de Defesa do Consumidor, assegurando acesso aos registros. Com a referida lei, é prerrogativa do consumidor se fazer incluir nesse cadastro e com isso obter, em tese, melhores condições de financiamentos.

Ocorre que a baixa adesão dos consumidores a esse cadastro, fez gerar o projeto de lei 441/2017 que propõe alterar o texto da lei de modo que, a inclusão nos cadastros de crédito ocorra sem a anuência do cidadão. Ou seja, sem a necessidade de seu consentimento.

Caso o projeto se torne lei, na prática o compartilhamento de informações bancárias positivas ocorrerá da mesma forma que já ocorre com o cadastro negativo, ou seja sem a proteção do sigilo bancário. Pretende-se, agora, que também as informações positivas possam ser compartilhadas.

De simples a providência nada têm, pois, a privacidade do indivíduo é inerente à dignidade da pessoa humana e é prevista no artigo 5°, inciso X da Constituição Federal, constando do rol dos direitos da personalidade do Código Civil. Conforme Matos Pereira a privacidade diz respeito ao “conjunto de informações acerca do indivíduo que ele pode decidir manter sob seu exclusivo controle, ou comunicar, decidindo a quem, quando, onde e em que condições, sem a isso ser legalmente sujeito.

Reposicionado a reflexão proposta acima, nos parece que a inclusão automática de dados de qualquer pessoa em cadastro positivo compartilhado afrontaria sua privacidade, aliás, como já ocorre com a inclusão em cadastro negativo.

Mesmo que em tese a referida lei possa tangenciar com a inconstitucionalidade, nos parece que nenhum mal trará aos cidadãos, sendo prerrogativa deles, consumidores, solicitar o cancelamento de seu cadastro, caso com ele não concorde.

Ficou com alguma dúvida ou gostaria de falar com um especialista?
[